quarta-feira, 20 de maio de 2009

Romance Regionalista

O Romance Regionalista é uma escola literária que surgiu em meados do século XIX no Brasil, os principais autores dos Romances regionalistas eram José de Alencar com O gaúcho (1870), O tronco do Ipê (1871), Til (1872) e O sertanejo (1876), Bernardo Guimarães com O Ermitão de Muquém (escrito em 1858 e publicado em 69), Visconde de Tunay com Inocência (1872) e Franklin Távora com O Cabeleira (1876).
As obras nacionalistas dos Romances Regionalistas buscavam retratar regiões do Brasil afastadas da capital, como o sertão nordestino e os Pampas gaúchos, descrevendo as paisagens e os costumes da população local.
Diferentemente de outros tipos de Romance, nos Romances Regionalistas o homem recebe destaque enquanto a mulher tem papel secundário, o gaúcho, o sertanejo. Os personagens são retratados de forma genérica, como retrato do povo que pertence.
Os Romances regionais eram publicados primeiramente em folhetins nos jornais e se fizessem sucesso eram organizados em um livro. Podemos observar que tanto nos Romances Indianistas quanto nos Romances Regionais a natureza tem grande importância e relação com os personagens do romance.




José de Alencar: Nascido no Ceára em 1829, filho de um importante senador, José de Alencar é considerado um dos precursores e um dos maiores escritores do Romantismo brasileiro. Escreveu romances indianistas como O Guarani, urbanos como Senhora e regionalistas. Em O Sertanejo Alencar retrata de forma pouco específica um morador do sertão brasileiro, suas dificuldades e seus sentimentos causados pela fome e miséria do sertão representam todos os sertanejos. E O Gaúcho, o escritor nos mostra as perdas causadas pelas guerras.


Bernardo Guimarães: Bernardo Joaquim da Silva Guimarães nasceu em Ouro Preto em 1825, ficou famoso por escrever Escrava Isaura. Seu Romance Regionalista foi o primeiro brasileiro, O Ermitão de Muquém em 1858, que se passava no sertão goiano na segunda metade do século XVIII, na obra se encontra presença indianista e o retrato das paisagens e costumes do sertão do Brasil Central.


Visconde de Taunay: Alfredo Maria Adriano d'Escragnolle Taunay nasceu no Rio de Janeiro em 1843, sua obra regionalista foi Inocência que retratava minussiosamente a paisagem, a fauna e flora, do cenário mato-grossense e também os costumes e valores da população da região centro-oeste brasileira.

Franklin Távora: João Franklin da Silveira Távora nasceu no Rio de Janeiro em 1842, foi o primeiro autor a retratar o cangaço com seu romance regionalista O Cabeleira que conta a história de um cangaceiro do sertão nordestino.







Bibliografia:
Literatura Brasileira capítulo 18
uol/literatura.com.br
wikipedia.com